Bem marcado

Eu posto meu tarot aqui. Porquê contando parece brincadeira. E ele sempre dá uma dentro. Sempre me cospe na cara o que preciso ouvir. Até mesmo o que não quero. E lá vai. No momento certo, a carta da Torre me diz:

ELIMINANDO O QUE NÃO SERVE MAIS

O arcano XVI emerge como arcano conselheiro para este momento de sua vida, Caio, sugerindo que é chegado um importante momento em sua existência: o tempo para romper com tudo aquilo que não lhe serve mais e que você preservava apenas por manutenção de fachadas. Estas coisas que precisam ser eliminadas podem ser (e geralmente são) internas e têm a ver com hábitos, modelos mentais e expectativas falsas. Mas podem ser também relacionamentos falidos, projetos que não dão em nada, ou seja, qualquer coisa que não faz mais nenhum sentido em sua vida e que você talvez não tenha ainda a coragem de eliminar. Todavia, é preciso agir, caso contrário a negatividade se tornará pior. Enfrente com coragem este momento de varredura radical!

Conselho: A coragem é necessária para enfrentar problemas de difícil solução.

Anúncios
Padrão

Autorretrato

Todo mundo tem seus monstros. Deixo transparecer muita coisa. Nunca tinha parado pra analisar. Legal saber como quem está de fora vê.

A exposição deve ser meu jeito de pedir socorro, ou de encontrar gente que me entende. Acho tudo isso muito mágico.

Outro dia conheci pessoalmente um amigo do twitter que confessou acompanhar a minha vida como uma novela. Achei aquilo incrível

Costumo dizer que sei de cor a lição, mas insisto em não aprender. É aí onde me mostro confuso: Nas minhas ilusões fabricadas.

Eu vivo de esperança. Não só dela. Mas acredito que é a partir daí que se pode conquistar o que não existe de fato.

Então me frusto, me entristeço, caio. Mas me levanto. tendo aprendido cada vez mais um pouquinho.

Padrão

Carnaval

O carnaval foi se arrastando até o fim do mês de Março. Até a quarta-feira, última do mês. Último dia, última esperança.

De amores vazios, dos dias de folia, de encontros, desencontros. Da montanha-russa de emoções.

Amores de carnaval acabam. Porque a folia é só vertigem, alegria de brincar como se já não houvesse um amanhã.

De repente, amanhece.

Quarta-feira, quinta-feira. E tudo passa, e varrem das ruas o lixo. Dos corações levam as paixões. Do carnaval que se deixou afogar pela maré das circunstâncias.

Uma hora o ano tem que começar, afinal.

…as quartas-feiras de cinzas nas ruas mortas onde esvoaçavam despojos de serpentina e confete. […] Muitas coisas que me aconteceram tão piores que estas, eu já perdoei. No entanto essa não posso sequer entender agora: o jogo de dados de um destino é irracional? É impiedoso.

Padrão